Saiba as vantagens e desvantagens de interromper a menstruação

Saiba as vantagens e desvantagens de interromper a menstruação

Não menstruar faz mal à saúde? Ao contrário do que muitos pensam, menstruar não limpa o organismo, apenas representa a descamação do endométrio (camada que reveste internamente o útero). A suspensão da menstruação, por meio do uso de pílulas, inibe a proliferação do endométrio, ou seja, não existe o que eliminar.

Hoje, muitas mulheres estão optando por interromper a menstruação. Segundo um estudo realizado pela Universidade Estadual de Campinas, no interior paulista, 32,5% das mulheres gostariam de nunca mais menstruar e 40% sonham com uma simples trégua, ficando mais de um mês sem sangrar. “Essa não é uma tendência exatamente nova, mas agora a mulher se sente com mais liberdade de escolha”, diz a psiquiatra Carmita Abdo, que é coordenadora do Instituto ProSex, do Hospital das Clínicas de São Paulo.

O assunto rende debates entre amigas e gera opiniões diferentes entre os próprios médicos. “Há dez anos, eu diria que suprimir a menstruação era ir contra um processo natural. Hoje, porém, os métodos estão bem mais seguros”, afirma o ginecologista César Eduardo Fernandes, presidente da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo.

Afinal, menstruar pra quê?

A gente conhece esta história: todos os meses, o corpo da mulher se prepara para engravidar e, quando isso não acontece, o óvulo amadurecido é liberado junto com parte do endométrio, a parede uterina. Isso é um sinal de que o organismo feminino está saudável e que os hormônios estão cumprindo direito o seu papel. Ponto.

Para interromper o ciclo, os especialistas indicam anticoncepcionais já conhecidos. “A diferença é que a mulher continua utilizando o método sem os intervalos geralmente recomendados”, explica o ginecologista Jarbas Magalhães, secretário da Comissão Nacional de Anticoncepção da Federação Brasileira de Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

A maioria desses contraceptivos age de forma semelhante: trata-se de moléculas artificiais que agem como o estrogênio e o progestagênio, dois hormônios produzidos durante o ciclo menstrual. Ao simular essas duas substâncias, o remédio encena a fecundação que não ocorre. “O sangramento que as mulheres têm no intervalo da pílula é fruto apenas da falta do hormônio, e não uma menstruação legítima”, esclarece a ginecologista Lucila Pires Evangelista, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Existem várias alternativas para deixar de menstruar, mas alguns médicos são contra qualquer uma delas em mulheres jovens e saudáveis. “Embora esses hormônios pareçam seguros, ainda não conhecemos os efeitos no corpo a longo prazo”, argumenta o ginecologista Flávio Zucchi, do Hospital Santa Catarina, em São Paulo.

A turma de jaleco só concorda em um ponto: para algumas mulheres, parar de menstruar é essencial. “Indico para pacientes que sofrem com cólicas muito intensas e endometriose, quando o tecido que reveste o útero cresce demais”, completa Zucchi.

Sem o sangramento periódico, a tensão pré-menstrual, a famosa TPM, é outra chateação que dá adeus – pelo menos temporariamente. “Em alguns casos graves, em que a sensibilidade fica muito exacerbada, a supressão da menstruação pode ser mais uma arma contra a TPM, mas não podemos fazer dela o único recurso possível”, opina o psiquiatra Alexandre Saadeh, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Antes de tomar qualquer decisão, o mais importante é conversar com seu ginecologista. “É preciso avaliar o seu histórico e realizar uma bateria de exames, como o ultrassom transvaginal”, recomenda o ginecologista Waldemir Rezende, do Hospital Santa Catarina. A supressão é – ou deveria ser – descartada para obesas, hipertensas e diabéticas descompensadas.

Depois de iniciado o tratamento, é importante ficar de olho no comportamento do organismo. “Até mesmo bons médicos se equivocam na escolha do método, e só o acompanhamento vai revelar se a opção foi certeira”.

Vale ressaltar que se a menstruação não ocorre por motivo que não o uso de hormônio (Síndrome de Ovários Policísticos, gravidez, menopausa precoce e outros), é necessário uma avaliação médica cautelosa. 

Não deixe de consultar seu médico de confiança e nunca  tome medicamentos por conta própria.

Pular para a barra de ferramentas